quinta-feira, 1 de junho de 2017

UMA CAMINHADINHA BEM "PERTIM"

Com problemas no joelhos Mirian tem caminhado pouco. Como sou solidário a ela, caminho pouco também. 
Para quem saiu de Beli já há muito tempo esse trecho, em torno de minha casa, é todo novo. Onde era só pasto agora tá brotando casas.
Já coladinho em minha casa nasceu essa vila, junto ao terreno de Francisco e Ana, terreno esse que foi da família de Mirian, onde sua mãe nasceu.
Vá vendo o padrão das casas.
Essa já é do outro lado da rua. Uma bela obra, de morada única, em três níveis.
Sr. Onézimo é um dos grandes produtores de feijão do país. Olha ai toda a sua produção. Isso alimenta uma pessoa durante uma semana, principalmente, se ela não gostar muito de feijão.
Conhece esse tipo de feijão vermelho?
Descemos depois da SSVP, nessa área que foi loteada por Calixto. Fica nos fundos do campo de futebol.
Essa chácara de Deja/Ciro produz muita mandioca e mexericas. Eu estive por duas vezes enchendo sacolas aqui. 
Eles distribuem generosamente e ainda perde fruta no pé. Tivemos uma superprodução esse ano e não há uma política de colocação disso no mercado.
Opa! Olha quem está aqui! O vereador Lelei. É um desfio para muita gente ver acertado a situação desses lotes, que sofrem com a falta de infraestrutura, principalmente energia e água. Ele estará buscando solução junto à prefeitura.
Há uma grande expectativa desse povo em torno dessa solução.
Fala a verdade: você nem sabia desse bairro que nasceu aqui, né?
Já estamos chegando no centro da cidade. Quer dizer, no centro do distrito. Esse Clube da Terceira Idade já gerou muitos casamentos. O forró aqui é animado.


Achei fraquinha a matéria. 

7 comentários:

  1. Cléber, essa rua próxima à sua casa, hoje se chama RUA JOSE OSVALDO DA SILVA, pelo Projeto de Lei de autoria do vereador Lelei, aprovado na Câmara Municipal e já sancionado pelo Prefeito Grego!

    ResponderExcluir
  2. Matéria muito boa! O "sintoma" mais forte e permanente do progresso de Belisário é a "fervência" da construção civil. Merece destaque também o bom padrão das construções. Nada de gambiarras ou arapucas. O conjunto natureza e comunidade oferece uma atmosfera aprazível e acolhedora. Cada dia reforça-me a convicção de que a categoria de Suíça Brasileira vai chegar bem antes do previsto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado Dárcio. Eu considero que uma das funções (não assumidas) do poder público é orientar, fiscalizar, padronizar e quando possível subvencionar e projetar as construções e a ocupação da terra. Isso acontece nos países desenvolvidos.
      Aqui no Brasil, como se constata em quase todas cidades, se não surgem favelas suje um padrão precário de moradias e ocupação da terra.

      Excluir
    2. Beleza, José. Grato pelo comentário. Estou sempre aprendendo um pouco mais. abrs.

      Excluir
  3. É isso ai, acreditar e ir em frente. Por a carga nos ombros e sair carregando, do jeito que conseguir aguentar. Esperar de vez em quando. Sem desanimar, porque ao seu lado está o amigo tempo avisando... vai chegar o dia !. Sua importante matéria, Cléber, é um testemunho histórico que vocês verão com muito orgulho daqui alguns anos.

    ResponderExcluir
  4. Estou com Dárcio Calais. Já não se constrói sem planejamento, se o material acaba e não há mais crédito pra comprar, a gente espera... E vai lutando, lutando. O grande aliado é o tempo. Um belo dia, a gente arranja trabalho, vende uns mantimentos ou umas coisinhas e não é que o dinheiro entra ? Um belo exemplo disso é o Sr. Zé Carneiro e o filho dele, José Antonio, cuja trajetória de lutas eu acompanhei por 25 anos. José Antonio nem 2º Grau tinha...

    ResponderExcluir

Comente este post!