sábado, 17 de junho de 2017

PORQUE HOJE É SÁBADO

Quando o primeiro galo do vizinho canta ela logo pergunta: já amanheceu? É uma pressão danada pro dia começar. Pelo que se vê, acho que somente nós, e o galo, estamos acordados nessa terra.
Nevoeiro geral.
Aos poucos os hóspedes vão aparecendo. O cunhado Beto e o primo Saulo, além da baixinha Lilica. Vamos comprar pão.
Ambos têm fortes ligações afetivas com Belisário. Beto aqui passava as suas férias, na casa da Vó Maria e Saulo, já falamos, aqui nasceu, no lar de Ismael e Altair.
Ambos lembram daquela que era a mais chique casa de Beli, propriedade de Tio Joaquim Gomes. Esse é o outro lado da família, que não contempla Saulo.
Pegar pão já ensacado no supermercado não tem graça.
O bom mesmo é escolher ainda dentro do forno.
Com direito a tratar do cavalo.
Saulo também é fotografado na vila que foi criada aqui ao lado, onde foi propriedade de seu Tio José Isidoro, avó de Mírian.
Ele vai descer para Muriaé, onde visitará outros parentes. Antes disso uma voltinha com os meus netos.
Agora Alice.
De carro fui acompanhando os últimos contatos de Saulo  aqui em Beli. O compadre Tuti comprou a propriedade de seu avô e mostra onde morou o seu tio. 

Regina nos falou que Nezite foi muito amiga de Tia Altair e tinha uma foto dela na parede de sua sala. Fomos lá conferir.
De fato ela ajudou muito Tia Altair nas tarefas domésticas e gostava muito dela. Lembra de todos os filhos. Quanto a foto, carunjo destruiu com o tempo.

Teríamos mais gente para procurar, mas o coronel quis partir.

Ele jura que vai voltar. Começamos a entabular um encontro com o restante da família. Será?
Mas tão logo Saulo partiu, Nezite mandou o filho aqui em casa trazendo essa foto do casamento de sua filha, ocorrido já há muitos anos. Olha como as amizades eram sinceras. De fato a foto de Tia Altair, estava pendurada na parede da sala nessa época.

Um corte na foto, que tira a sua qualidade

Vamos continuar badalando por ai. Um giro na roça, na casa dos amigos Landis e Luzia.
Pedi que ele mostrasse para Carlos Alberto suas habilidades de artesão.
Um pendurador de joias e bijuterias.
As ferramentas são canivete e formão.
Um, dois, três...
Cada um dá 40 balangadas.
Landis Rosa nasceu nessa casa por ele reproduzida.
No caminho de volta topamos com Cibele.
De sua página  no Face retirei essa foto que ela tirou  um pouco à frente, na casa de Zezinho do Lincoln.


Quem será aquele povo?
É Zé Muniz com Edilson e sua turma. Eles vieram da Ilha do Governador para passar aqui o feriadão.

Mas tem mais novidades nesse sábado. Você nem viu o casamento de Éder e Natânia.








Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente este post!