sexta-feira, 2 de junho de 2017

A CAMINHADA DE QUINTA COM O AMIGO ZÉ MUNIZ

A primeira caminhada do dia foi a de macho alfa. Subimos a Rua São Vicente. Por falar em nome de rua, Bruno fez um comentário  na matéria anterior, informando que, por projeto de Lelei, aprovado na Câmara, aquela rua aqui pertinho de casa, que formou uma vila, chama-se Rua José Osvaldo da Silva. Com esse nome você não identifica, né? Pois é o "Zezão", falecido precocemente e que adquiriu essa propriedade onde moram também famílias ligadas aos Pena & Silva.
A partir dessa água a gente começa a subir.
Caminhada sempre testemunhada por águas correntes e lagos.
Olha essa aí, só para te humilhar. Veja quem está vindo lá!
Descendo essa estrada íngreme, úmida e calçado com meia e sandália tipo havaiana. Aquele tipo de descida que, se bobear, você desce de quatro. apoiando também as mãos no chão para não cair.
Guarde essa figura. Vamos em frente.
E Belisário fica pra trás. Se você não leu isso, informado por Dr. Dárcio, o fornecimento de água do distrito se dava aqui.
Falei no Zé Muniz e não mostrei o cara. É o mais recente reforço recebido por Belisário, retornando à terra, vindo de SP, onde se aposentou como engenheiro da Scania. É filho de D. Luzia, para quem não sabe.
Amo essa região.
Outra figurinha rara faz sinal pra gente. Deve ser alguma malcriação. É Landis Rosa.
Tá secando o seu cafezinho, recém colhido. A vida deu dois grandes sacodes nesse amigo, mas ele e a esposa vão aquentando, com galhardia. Coisas da vida.
Zé Muniz chamou-me a atenção para essa cena. Vamos registrá-la.
Agora descendo
E curtindo o que se vê. Cafezal para todos os lados.
É  bonito um cacho de bananas.
Mais gente fina em nosso caminho. Zé do Lincoln. Ele levou uma esfrega recentemente, vindo a perder uma vista. Também com galhardia afirmava na época do acidente: tudo bem, Deus me deu duas. Afinal, fé é a “É a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não veem.” (Hebreus 11:1).
A colheita aqui é milho, para tratar de suas próprias criações.

Vai encarar? Não tenho um pinguinho de medo do senhor, pelo menos enquanto uma cerca nos separar.
Eu o conheço desde menino. Em fevereiro de 2014 postei uma matéria com ele e seu irmão gêmeo, o que é raro entre bois. Nem chifre ele tinha à época. O irmão deve ter virado churrasco.

Tavinho passou com a família na moto igual a um corisco, como se diz por aqui.
A gente sempre mostra aqui, e sempre tem uma novidade. Um terreiro de secagem de café e, ao fundo, de milho
De que que João Paulo e Zé Maria está brincando?
Uma forma de espalhar o milho para a secagem, de forma uniforme. Eles plantaram juntos essa roça. É a boa hora de colher o fruto. É dura a vida do trabalhador rural. O preço do milho esteve bem melhor no ano passado.
Lembra desse senhor? Eu o apresentei no início da reportagem, na subida de nossa caminhada. É o Sr. Lincoln Martins, veterano de guerra, que dá essa caminhada sistematicamente.
Faça a conta e veja que ele tem 93 anos. Tá vendo? Enquanto você está dormindo ou vendo Ana Maria Braga, ele, com essa idade, está caminhando, por lugares íngremes. 
É pra ficar com vergonha. 
Mais casa bonita.
O DEMSUR fez um bom trabalho de limpeza de nossos córregos. prevenindo-nos contra as cheias.
Matriz a vista!
Jaqueline passa apressada. Vou aproveitar pra te apresentar Bernardo. Você esteve no seu chá de bebê, através de EMBELISARIO.
Empolgado com o exemplo de Sr. Lincoln, dei uma segunda caminhada com a patroa, aquele "pertim". Aqui crianças ainda brincam de fazer bolos na areia...
Você vê galinhas pastando no terreiro...
Depois do giro atrás do campo fomos até o final da rua que dá saída pra Serra. Vandim fixou a placa da Rede de Vizinhos Protegidos. A adesão poderia ser maior..


2 comentários:

  1. Nossa terra. Alheia a tudo que se passa na política.

    ResponderExcluir
  2. Já tive a oportunidade de conversar com o Sr. Lincoln Martins, falando da guerra...
    Parabéns... No próximo mês ele completará 94 anos... colocando a turma no bolso...


    Grelson Clemente

    ResponderExcluir

Comente este post!