sábado, 30 de outubro de 2010

A MISTERIOSA FREIRA DO CASARIO

Na matéria sobre S. João Del Rey, destacamos a figura de uma freira na sacada de um casario, próximo ao da Família Neves.
Pedimos a sua autorização para fotografá-la e logo percebemos a sua imensa necessidade de falar com as pessoas. Um som alto me impedia de ouvi-la, lá de cima, quando pedimos que ela abrisse a porta de sua bela casa.
Qual não foi a nossa surpresa ao conhecermos a Irmã Maria Helena, hoje com 81 anos, que acabara de retornar ao convívio de sua família, naquela casa, em São João, por motivos de saúde, após passar 61 anos enclausurada na Ordem do Carmo, em Petrópolis.
Muito falante, certamente para compensar tantas décadas fora do convívio da sociedade, ela repetia sempre que o que mais sentiu nesse período foi a abstinência de carne. Narrou-nos a vida em clausura, longe de tudo e de todos, guardando jejum, todos os anos, entre os meses de setembro e a Semana Santa seguinte, período em que reduziam fortemente a alimentação.
Acordar às 4 horas para rezas e missa, antes do café, servido às 7:30h. Logo após, cuidar do convento, das hortas e galinhas. Mais missas, leituras..... A mesma rotina por 60 anos da vida de uma Carmelita.
Sua vida guarda alguns fatos ligados à nossa história. Em Petrópolis. Sua primeira missão no convento foi a de cuidar da cunhada do Barão de Teffé. Para quem não se lembra, o google ajuda. Trata-se do famoso herói brasileiro na guerra do Paraguai, sobretudo na batalha Naval do Riachuelo. É um grande símbolo de nossa Marinha.
A nossa falante Carmelita é neta do Dr. Lustosa (vejam a placa na porta, clicando 2 vezes sobre a foto). Os mais antigos certamente se lembram da famosa “Cera Lustosa”. Aquela que era colocada no buraco do dente como anestésico. Esse produto faz perte da história de muitos. Veja o texto abaixo

“Durante anos foram vários “slogans” como: alívio seguro na dor de dente, o famoso tubinho vermelho, acabe com a dor em 5 minutos. Foi largamente vendida em todo o Brasil, sendo referência para dor de dentes durante décadas. Com o tempo passou a fazer parte da lista de medicamentos antológicos da época, como Emulsão Dr. Scott, Biotônico Fountoura, Elixir Paregórico e Pílulas de Vida do Dr. Ross, medicamentos presentes nos lares brasileiros.
Em 1906 Dr. Paulo formou-se em odontologia e anos depois retornou à terra natal. Em seu início de trabalho enfrentou a grande praga da época que era a dor de dente causada pela cárie dentária. Uma das dores mais aguda que o homem pode suportar. “As escovas de dente eram pouco conhecidas na década de 40 e era raro o seu uso. Somente as pessoas que viajavam ou tinham acesso às novas culturas tinham o conhecimento da importância de usar. A incidência de cáries era grande devido ao costume de não se escovar os dentes, assim a necessidade de um produto que pudesse controlar a dor de dente era exigência do mercado, mesmo porque os tratamentos dentários eram lentos e deixavam a área afetada exposta, permitindo a dor ao se mastigar em cima ou até mesmo um sopro, poderia levar o indivíduo à dor. A solução na grande maioria das vezes era extrair o dente cariado.
Os medicamentos da época à base de arsênico, que atuavam como anestésico e anticéptico, eram e até hoje ainda são líquidos, assim escorriam e queimavam a boca, aumentando ainda mais o sofrimento. A preocupação do Dr. Paulo com as pessoas que ele via sofrendo, fizeram com que ele descobrisse um produto inovador que atenderia a necessidade do mercado. Assim nasceu a Cêra Dr. Lustosa”. (www.doutorlustosa.com.br)

Após mais de 80 anos, o produto ainda está em fabricação. A vida nessas cidades histórica tem um caráter permanente.
Achei interessante conhecer essa simpática figura, neta desse famoso dentista, e trazê-la para esse blog.



CONTINUANDO A VIAGEM


Quem está acompanhando deve se lembrar que paramos o nosso tour, com os amigos baianos, na cidade de Tiradentes, onde eles embarcaram de trem para S. João Del Rey. Nós seguimos de carro.

Conhecendo um pouco de sua história:
São João Del Rey é um município brasileiro do estado de Minas Gerais. Concentra serviços de saúde, comércio e educação, polarizando cidades do Campo das Vertentes e Sul de Minas.
Grandiosa, moderna e agitada na área contemporânea. Pacata e cultural na sua parte histórica, São João del Rei se insere como uma cidade singular. Dotada de uma vasta gama arquitetônica, na qual não se restringe apenas ao Barroco. Na sua parte histórica (protegida do restante da cidade) é possível observar diversas linhas arquitetônicas, separadas por gêneros.
Nasceram em São João del-Rei o presidente eleito do Brasil em 1985 Tancredo Neves, Cardeal Dom Lucas Moreira Neves, Otto Lara Resende, Padre José Maria Xavier (compositor sacro), Francisca Paula de Jesus (a "santa" Nhá Chica, que está em via de ser canonizada pelo Vaticano), dentre outros. O município disputa ainda, juntamente com São José do Rio das Mortes e Ritápolis, a a naturalidade de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes. (http://pt.wikipedia.org/).

A cidade perde para Tiradentes pois, assim como Congonhas, Mariana, e Sabará, ela cresceu para além da área de seu Centro histórico, sem muito controle, o que ofusca bastante aquilo que o turista quer ver.
Em compensação a parte protegida pelos órgãos de preservação é muito bonita. Muito bem conservadas as casas onde moraram tradicionais famílias de Minas, com destaque para o saudoso Tancredo Neves. (casario de 2 andares, primeira foto)




Na matéria seguinte vamos falar sobre a freira que aparece na foto, na sacada de um casario.


Vamos depois para Ouro Preto

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

TUDO PRONTO PARA O INICIO DO CAMPEONATO REGIONAL DE BELISÁRIO



Depois de mais uma reunião da nossa ONG que tem como objetivo incentivar a prática de esportes no distrito, tudo ficou acertado com vistas ao início do CAMPEONATO DE INTEGRAÇÃO REGIONAL DE BELISÁRIO - TAÇA VEREADOR VANDIM.Como parte da abertura dos jogos, no dia 13 de novembro acontecerá a I CORRIDA RÚSTICA DE BELISÁRIO, nas categorias masculino e feminino.

Veja o regulamento do campeonato:

Art.1º - O campeonato deverá iniciar-se em 14 de novembro de 2010.

Art.2º - No dia 28 de outubro, quinta-feira, deverá haver uma reunião entre os presidentes de cada equipe, para conhecimento desse regulamento e sorteio dos jogos.

Art. 3º - Deverão acontecer 2 jogos por domingo sendo o primeiro às 13:30 horas e o segundo às 15:30 horas.

Art. 4º - O campeonato terá jogos corridos com as equipes jogando entre si.

Art. 5º - Cada equipe deverá fazer a inscrição de seus atletas até 1 hora antes da partida de abertura do campeonato, apresentando, no máximo 18 atletas, residentes no distrito ou que estando temporariamente fora deste, por motivo de trabalho, estudo ou outro, rotineiramente atue em jogos no distrito.

Art. 6º - Cada equipe poderá inscrever mais 2 novos nomes até 1 hora antes do início de sua segunda partida, não podendo ser inscrito jogador que tenha sido inscrito na primeira rodada em outra equipe.

Art. 7º - Poderá, ainda, haver a inscrição especial de até 3 atletas, independente do local de residência destes.

Art. 8º - A equipe vencedora ganha 3 pontos. Em caso de empate ambas as equipes ganham 1 ponto.

Art. 9º - Durante as partidas poderá haver um máximo de 4 substituições.

Art. 10 - Fica suspenso por uma partida o jogador que receber o terceiro cartão amarelo. Da mesma forma se receber um cartão vermelho.

Parágrafo 1º : Em caso de agressão ou atitude antiesportiva considerada grave, o atleta poderá receber uma penalidade maior, inclusive a de ser eliminado do campeonato. O julgamento dessa atitude e a aplicação dessa pena se dará por uma comissão especial a ser criada, composta de 3 pessoas do distrito, que também terá a responsabilidade de decidir em relação a casos não previstos neste regulamento.
Parágrafo 2º : Será premiada com o valor de R$ 50,00 a equipe que apresentar melhor disciplina durante o campeonato, sendo contemplada a que tiver recebido o menor número apurado pela contagem dos cartões amarelos recebidos mais o número de cartões vermelhos estes multiplicados por 2.

Art. 11 - Todas as equipes deverão apresentar-se devidamente uniformizadas, com chuteiras, calção, camisa e meiões, padronizados por equipe.

Art. 12 - À Comissão Organizadora caberá a responsabilidade de arranjar bolas, apitos, troféus, marcação do campo, remuneração dos árbitros, etc., organizando bingos para a arrecadação de recursos financeiros e/ou buscando patrocínios.

Art. 16 - Receberão troféus o primeiro e o segundo colocados, além de premiação para o artilheiro bem como para o goleiro menos vazado.

Art. 17 - A tolerância máxima para atraso no início de cada partida será de 15 minutos.

Parágrafo 1º - A equipe ausente perderá os pontos, considerando-se o placar de 2 x 0 para aquela que compareceu.

Parágrafo 2º - Se ambas não comparecerem nenhuma delas acumulará pontos.

Art. 18 - As duas equipes com maior número de pontos ganhos disputarão duas partidas para que seja conhecido o campeão, jogando o primeiro colocado com a vantagem de dois empates.

Parágrafo único - Em caso de empate na pontuação utilizar-se-á o critério de maior número de vitórias. Persistindo empates utilizar-se-ão os seguintes critérios, nesta ordem:
a) Melhor saldo de gols
b) Maior número de gols a favor
c) Disputa de pênaltis.

Art. 19 - Cada equipe inscrita deverá fazer uma garantia de R$ 50,00, sendo que ao final da competição R$ 30,00 serão devolvidos, exceto se houver desistência de participação ao longo do campeonato

Art. 20 – Compete à diretoria da ONG o cancelamento de qualquer partida, por motivo de força maior, tal como má condição climática em Belisário, ou impossibilidade de deslocamento de alguma equipe para a partida, por más condições da estrada. Deve haver comunicação prévia entre o presidente da ONG e o presidente do time, nesse sentido.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

UM ANO SEM LUCIANO






Aconteceu nesta quarta, na Matriz de Sto. Antônio, em Belisário, a missa pela passagem de um ano de morte trágica do jovem LUCIANO, mais uma vítima de acidente de carro na região de Muriaé.
Apesar de ser meio de semana, a igreja estava bem cheia, para abraçar sua mãe Eva, seu pai João clemente a irmã e toda a família.
A morte de Lu representou uma grande perda também para a comunidade belisarense. Aqui ele foi um grande líder, muito envolvido com tudo e com todos.

“ Luciano tinha muita vontade de ajudar a todos e de fazer sempre mais pela comunidade. Ele participava de tudo. Nem esperava ser solicitado. Se oferecia. Ele tinha um lema em seu orkut: Se não puder fazer tudo, faça tudo o que puder” . (Declaração de Markedson e Túlio, na porta da igreja.)

Durante a missa José Domingos falou em nome da comunidade, destacando as virtudes de Luciano e a grande perda que foi para Belisário a sua morte. "Ele tanto era um brilhante animador no microfone como atuava nos bastidores. Tudo dependia da necessidade. Na igreja também dava a sua contribuição permanente. Era o grande animador das encenações da Semana Santa. Também em relação ao futebol, sempre atuante e organizando eventos."

A convite do Pe. Tadeu, também trouxemos umas palavras de consolo para sua mãe, Eva, que ainda sofre muito com a perda do filho. Ao início de nossa fala destacamos o espírito de abertura do padre em ceder o microfone para um protestante, durante a missa. Aqui em Beli isso é um tabu. Padre Tadeu é cabeça boa, como os “metodistas confessantes”, como eu.

Durante a missa foram projetas imagens do amigo no telão (acima).

É isso! A vida continua.





UM POUCO DA HISTÓRIA DE BELISÁRIO

Arquivos de D. Nina Campos

Em visita a Belisário, já há algum tempo, dona Maria do Carmo Athayde, ou Maricas, como era conhecida, que aqui nasceu em 1923, acompanhada de sua filha, Lúcia Mª do Carmo de Barros, deixou-nos o seguinte relato:

Visitando Belisário me emociono muito ao ver os progressos de nossa terra, inclusive a casa que era nossa, construída por meu marido, muito bem reformada, abrigando hoje o Cartório Pimentel. Sinto vontade de ir a zona rural. Tenho saudades das fazendas, onde todo mundo freqüentava as festas de Santos, casamentos, cachoeiras, sem distinção de comunidades. O povo da época ia muito à roça aos domingos, tanto a pé, como a cavalo ou de charrete. Era a nossa diversão visitar os amigos de lá.
Nos dias de semana eles é que vinham aqui na rua, buscar coisas nas vendas.
Quando solteira, eu dançava contra a vontade de meu pai. Ele nos deixava ir aos bailes mas só para espiar.
Havia muita paixão recolhida. Uma delas era do Augusto do Atalíbio. A paixão da Lúcia, era o Dimas.
O piso da igreja de Sto. Antonio era lavado todos os dias, o que era feito pelas crianças desde o tempo do Pe. Américo. Cada menino lavava um ladrilho e os adultos vigiavam e ofertavam os materiais da limpeza conforme suas posses. A fachada da igreja era revestida da malacacheta de lavras do próprio distrito e era orgulho do povo do lugar.
Com o nascer do sol e o luar cintilava tanto que era especialmente lindo! Atraia a atenção de quem visitava Belisário.
Na quaresma havia muito medo. O Luizinho então piorava tudo fazendo caveira de mamão verde. Punha vela acesa dentro e saia para espantar a meninada. Dizia que era assombração aparecendo para buscar menino que jogava pedra no telhado das casas.
Porque de vez em quando tinha telha quebrada e era goteira de chuva na certa.

Seu Luizinho fazia benzição contra dor de dente. Falava:
“some, some, some
vai pras areia gordas
onde num vê galo
nem galinha cantá.“

Repetia tantas vezes, que a dor sumia. Depois, o paciente costumava trazer uma galinha de presente para o benzedor.

Também fazia macumba, mas nem sabia o que era isso; cantava assim:

galo preto bateu no carijó
Galo preto bateu no carijó
Me ajuda a bater no caixote
Pum, Pum, Pum !

(Arquivo do GAB, Belisário, 20-09-2004)

RUMO A TIRADENTES




Depois de Petrópolis, Belisário, tomamos o das cidades históricas. Nesse caso, o nosso roteiro sempre começa por Tiradentes.
Vamos mergulhar um pouco na história dessa lindíssima cidade mineira:


“O ouro descoberto por João Siqueira Afonso, em 1702, no local denominado “Ponta do Morro” atraiu um grande número de pessoas que, interessadas na exploração, ergueram uma capela e formaram um arraial que ficou conhecido com Santo Antônio da Ponta do Morro.
Tiradentes foi uma das cidades que mais teve ouro de superfície no Brasil, e graças a esta abundância, o arraial se desenvolveu, sendo elevado em 1718, à categoria de Vila de São José del Rei, ganhando a configuração arquitetônica que permanece até hoje.
A decadência do metal não impede a Coroa Portuguesa de lançar a derrama, exigindo o pagamento compulsório de impostos atrasados do quinto do ouro. Esta atitude opressora da metrópole faz nascer um sentimento revolucionário, que ficou conhecido como Inconfidência Mineira.
Em 06 de dezembro de 1889, com a valorização da figura do alferes, o governo republicano, decide trocar o nome da cidade para Tiradentes , homenageando o filho ilustre, nascido em 1746 na fazenda do Pombal, à margem direita do rio das mortes e em 1938, não só a cidade, mas todo seu entorno paisagístico é tombado pelo IPHAN, e hoje, Tiradentes se orgulha de sua vocação turística, sendo considerada um dos pólos turísticos mais importantes do Brasil.
(http://www.tiradentesgerais.com.br/).

Tiradentes é a mais completa das cidades históricas. Confesso que ainda não conheço Diamantina. A sua topografia é mais favorável que a de Ouro Preto. A Serra de São José dá uma imponência muito grande à região.
O artesanato local é riquíssimo e os preços são excelentes, principalmente se o visitante sair na direção do distrito de “ Bichinho”. Ali compramos uma mesa muito barata, de material de demolição, com 8 tamboretes, custando cada um R$ 60,00. O mesmíssimo tamborete é vendido em Ouro Preto por R$ 265,00.
Imperdível o retorno ao passado, principalmente do mineiro, é a viagem de trem até São João Del Rey. Isso somente acontece nos finais de semana. Eta trem bão!
É intensa a programação cultural anual de Tiradentes. Festival de Cinema, de Gastronomia, de Carros Antigos, Semana Santa ...

Cada lugar desse ativa em nós o sonho de trazer parte dele para nossa querida Beli. Sonhar não custa nada.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

MUSEU DE PETRÓPOLIS – UM PROGRAMAÇO











Como prometemos, vamos dar uma “viajada” nesse blog, começando por essa charmosa cidade fluminense, por onde também começamos nossa tournê com os amigos baianos. A foto já dá um flash na chegada, tendo ao fundo o "Dedo de Deus"

“O Palácio Imperial de Petrópolis, hoje, MUSEU IMPERIAL, foi a residência predileta do imperador d. Pedro II e cenário dos melhores momentos da vida do monarca, como ele mesmo registrou em correspondências dirigidas a diversos interlocutores. Sua construção, iniciada em 1845, por determinação do jovem imperador e a expensas de sua dotação pessoal, deu origem à cidade de Petrópolis. O projeto original do major e engenheiro germânico Júlio Frederico Koeler, superintendente da Fazenda Imperial, foi seguido, após sua morte, pelos arquitetos Joaquim Cândido Guilhobel e José Maria Jacinto Rebelo....
...é também palco de inúmeros espetáculos, eventos, exposições e atividades voltados para a educação e o entretenimento de 300 mil visitantes ao ano. (http://www.museuimperial.gov.br).
Dispensa comentários a riqueza das peças de porcelanas, quadros, mobiliário, jóias expostas no Museu. Quero dar destaque para dois programas imperdíveis que lá são oferecidos:
Um Sarau Imperial
Dramatização interativa de uma atividade típica de lazer do século XIX. Embalado por modinhas imperiais cantadas por uma soprano e acompanhadas por um pianista, o sarau conta com declamação de poesias e conversas sobre assuntos sociais, econômicos, políticos e culturais da época, retirados da correspondência particular da família imperial. Conta ainda com a participação das personagens históricas, princesa Isabel, condessa de Barral, baronesa de Loreto, Isidoro Bevilacqua (professor de piano da princesa Isabel) e Adelaide Taunay (canto).
Horário: sextas-feiras, às 18h30 e, aos sábados, quando houver agendamento, para grupos de 20 a 120 pessoas.
Duração: 45 minutos.
Local: Sala da Batalha de Campo Grande do Museu Imperial devidamente ambientada para a realização do Sarau. (
http://www.museuimperial.gov.br)

É muito interessante, quando os artistas fazem interação com o público, usando o clássico português palaciano, dentro do contexto do séc. XIX, misturando a realidade daquela época com situações contemporâneas. Uma bela aula de história. Na cara de pau aceitamos o convite para a leitura de um poema. Da mesma forma imperdível é o Espetáculo de Som e Luz. Veja os comentários no site, desse “espetáculo como você nunca viu nem ouviu”.

“Quem nunca pensou em voltar no tempo? O Som e Luz Petrópolis oferece esta oportunidade ao reviver alguns dos mais importantes momentos do segundo reinado no Brasil. Trata-se de uma superprodução que utiliza efeitos especiais de iluminação e sonorização para reviver a história de d. Pedro II. A iniciativa é fruto da parceria entre Eletrobrás/Procel (Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica), Museu Imperial e Fundação Roberto Marinho.
A viagem começa no dia do baile das princesas, quando as irmãs Isabel (Mika Lins) e Leopoldina são apresentadas a seus futuros maridos: o conde d'Eu e o duque de Saxe. Toda a corte está subindo a serra para comparecer ao evento. Você vai ouvir o cocheiro convidá-lo para embarcar na carruagem que leva os convidados para o palácio imperial. Seus acompanhantes são ninguém menos do que o marquês de Caxias – futuro duque de Caxias, interpretado por Cláudio Mamberti, num de seus últimos papéis – e o barão do Bom Retiro (Sérgio Mamberti), amigo pessoal de d. Pedro II.
Enquanto a narração em off – na voz de Paulo Autran – guia os espectadores pelo jardim do atual Museu (simulando o trajeto de subida da serra), a iluminação cenográfica complementa a magia do espetáculo. De frente para a fachada do prédio, uma das principais surpresas do espetáculo: o palácio está iluminado e pronto para a festa, como há 150 anos. Inclusive, é possível ver, através das janelas, as silhuetas de d. Pedro II (Odilon Wagner foi o ator convidado para interpretar o personagem) e seus convidados. Estão todos lá: a família imperial e a corte brasileira.
Mas como a viagem apenas começou, o Som e Luz Petrópolis prepara outra surpresa: uma cortina d'água – posicionada estrategicamente no lado oposto à fachada do palácio – torna-se a tela em que são projetadas cenas do filme que complementa o show. Será possível acompanhar a fofoca das convidadas sobre a dança da princesa Isabel com André Rebouças, um negro que frequentava os salões da família imperial.
O espetáculo ainda reserva espaço para contar sobre a Guerra do Paraguai, a assinatura da Lei Áurea e termina com a chegada da República. Em 45 minutos, a noite de Petrópolis é iluminada pelos efeitos especiais que permitem oferecer uma das mais inesquecíveis e emocionantes aulas de história brasileira.”.

Ainda tivemos o privilégio de conhecer pessoalmente Isabela, Diretora de Eventos do Museu, que havia reservado nossos ingressos, já que a procura é muito grande. Ela nos prometeu que vira conhecer Belisário. Vamos torcer. Principalmente aqueles que costumam ir a Petrópolis fazer compras, não deixem de assistir a ambos os eventos.

As fotos mostram a nossa "cara de pau" em aceitar convite para ler um poema no Sarau, nossa "intimidade" com os artistas ao final. A primeira é a simpática e competente Isabela, a quem já nos referimos anteriormente

Cléber Paradela

segunda-feira, 25 de outubro de 2010

VISITAS ILUSTRES EM BELISÁRIO





Quando Mirian e eu resolvemos trocar Salvador por Belisário, muito amigos baianos duvidaram. Não entendiam o motivo de uma troca aparentemente tão desproporcional.
Com alguma frequencia recebemos alguns deles em nossa casa, onde se apaixonam pelo que vêem e passam a entender a vantagem que levamos nessa troca.
Sexta-feira passada fomos ao aeroporto do Galeão pegar um casal de amigos e seu filho, vindos da Bahia. Pessoas muito queridas, ele é um juiz de direito aposentado e são pais da jornalista Rosana Jatobá, da Rede Globo, do que têm muito orgulho.
Juntos fizemos um belo tour, viajando imediatamente para Petrópolis e, no dia seguinte, para Conservatória. Depois Belisário, parando para um almoço numa fazenda de Café do Séc. XIX,em Barra do Pirai, com direito a uma visita pelo casarão e uma aula sobre a riqueza do ciclo do café, e a sua derrocada naquela região.
Depois de 3 dias aqui na terrinha, rumamos para Tiradentes, São João Del Rey e Belo Horizonte, embarcando eles em Confins, de volta à Bahia.
Vamos falar um pouquinho sobre cada programa deste, com o objetivo de matar vocês de inveja, forçando-os a se organizarem para fazerem o mesmo.
Abaixo fotos da Cachoeira do Naor, do Sítio Xapuri e da fábrica de doces do Calisinho

domingo, 24 de outubro de 2010

DIA DAS CRIANÇAS EM BELISÁRIO




ossa viagem embolou um pouco as notícias no blog. Estamos com muita coisa para falar desse passeio, mas vamos abordar essa e alguma outra matéria que ficou para traz.

12 de outubro é uma data muito, esperada pelas nossas crianças e, na verdade, também por muitos marmanjos da região. Ninguém quer perder a Festa da Fazenda Belete. Um evento que a cada ano vem se aprimorando.

Tudo começou quando Célia Belete, a organizadora, fez uma promessa diante de uma enfermidade de seu filho Marlon, quando este tinha 7 anos. Faria festas para as crianças em caso de sua cura. E assim começou a fazer, na cidade do Rio de Janeiro, trazendo algumas coisas que sobravam para também alegrar algumas crianças em Beli.

Tempos depois mudou de planos, e resolveu passar a fazer a festa por aqui. Aumentou a variedade de guloseimas: cachorro quente, pipoca, algodão doce, picolé... além de sorteios de muitos presentes. Brinquedos infantis foram montados no terreiro da fazenda. Todo mundo com um boné na cabeça

Este ano cerca de 500 pessoas participaram, vindo de toda a região.

Vamos aguardar 2011!

sábado, 23 de outubro de 2010

AINDA É TEMPO DE BRINCAR

“E as ruas da cidade se encherão de meninos e meninas que nelas brincarão.” Zacarias 8:5.
A idéia de construir este texto surgiu de uma inquietação minha, quando, perguntando às crianças de nossa Igreja se elas conheciam algumas brincadeiras de rua, citei algumas, e, para minha surpresa, elas não sabiam do que eu estava falando, e começaram a rir.
Observando o cotidiano das crianças atualmente, percebe-se que elas passam mais tempo na frente de um computador, de uma televisão ou com brinquedos eletrônicos. A maioria delas está cada vez mais se aperfeiçoando em jogos eletrônicos e internet (orkut , MSN, twitter, facebook, entre outros), com isso a criança está perdendo o hábito saudável de curtir outras brincadeiras e de socializar-se com outras crianças e até mesmo de ver o mundo além da janela, ficando confinadas dentro de casa.
O profeta Zacarias refere com clareza o que as crianças farão nas ruas: elas brincarão. Através das brincadeiras elas aprendem a lidar com os sentimentos, interagir, resolver conflitos, desenvolver a imaginação, ter criatividade na resolução de problemas, integrar-se como parceiro, expressar seus desejos, defender sua opinião, ter confiança em si mesma e compreender seu meio ambiente. Pensando nisso, vejo que elas precisam ser estimuladas a vivenciar outras experiências, pois é com o lúdico que elas experimentam a VIDA. Portanto, precisamos propor às crianças um jeito diferente de brincar, resgatar e conhecer valores através de brincadeiras antigas, como cantigas de roda, o chefe mandou, pega-pega, telefone de lata, estátua, tatu quer sair da toca, esconde-esconde, entre tantas outras brincadeiras divertidas. As brincadeiras desenvolvem nas crianças a percepção, inteligência, comportamento social e trabalha seu desenvolvimento integral.
Se existe algo que as crianças sabem fazer e o fazem muito bem e com perfeição é BRINCAR. Isso vem de Deus. Elas só pensam nisso. Acordam e adormecem pensando nisso. Imaginem as ruas cheias de crianças brincando! Maravilha! Criança é benção para o bairro, criança é benção para as ruas, criança é benção para as cidades; criança é benção para os pais; criança é benção para a igreja; criança é benção para o mundo! Porém, infelizmente nem todos pensam assim. Alguns vêem crianças com empecilho, outros como cruz, outros impedem que venham à igreja para serem abençoadas; e outros as desprezam (Lucas 18:15-17).
Deus promete um futuro maravilhoso para seu povo. Ninguém se engane achando que não haverá crianças, pois segundo o profeta Zacarias as ruas estarão cheias delas correndo, pulando e brincando; isto é promessa e irá se cumprir. Deixemos que as crianças sejam crianças: deixe-as brincar, deixe-as se sujar, pois mesmo elas brincando, elas estão agradando ao nosso Deus. Não deixemos que elas pulem etapas da vida, mas que aproveitem e aprendam todas as fases dela, sendo apenas crianças.

Sílvia Cumming
Departamento Infantil da Igreja Batista da Esperança
Salvador - Bahia

Comentário nosso:Mesmo em Belisário, onde as crianças ainda brincam na rua, já se vê por arte de alguns uma preferência pela da lan house que lá existe.

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

3º TERREIRO CULTURAL

O 3º TORNEIO CULTURAL é um encontro de raízes que tem como objetivo o resgate da identidade das comunidades residentes no Território Rural da Serra do Brigadeiro.

O evento é uma realização do Centro de Pesquisa e Promoção Cultural – CEPEC e envolve prefeituras, ONGs, Casas Paroquiais e comunidades em geral dos municípios de Araponga, Divino, Ervália, Fervedouro, Miradouro, Muriaé, Pedra Bonita, Rosário da Limeira e Sericita.

Viola, Congado, Calango, Folias, Boi Pintado, Causos, Bandas de Músicas...

Data: 6 de novembro

Local: Praça Santa Rita de Cássia, em Sericita

FALECIMENTO

Chegando de viagem em Belisário soubemos do falecimento de Sebastião Muniz, filho de nossa amiga Luzia Carolina Muniz, vítima de um infarto fulminante.
Sebastião ou Nenen como era aqui conhecido, mudou-se já há alguns anos para o Rio, onde faleceu.
Lá morava ao lado de sua mãe, que mantém uma casa também aqui em Beli.
Fizemois contacto ontem, por telefone, com D. Luzia, que falou-nos ainda estar muito sentida com a perda repentina, mas com a juda de Deus está se recuperando. Pede orações dos amigos.
Um abraço para ela, Edi, José Maria (São Paulo) e toda a família.

PROFESSOR – UM SONHO A SER CONQUISTADO




Na matéria sobre a nova fábrica de espetos em Belisário, prometemos que voltaríamos a falar sobre o encarregado desse negócio, NORIVAL JOSÉ DE PAULA OLIVEIRA, uma pessoa de aparência simples, mas que guarda muito conhecimento.
Descobrimos isso imediatamente após ouvir dele a expressão: “É preciso diversificar para sobreviver”. Logo vimos tratar-se de uma pessoa inteligente, o que nos motivou a fazer uma matéria com ele.
Norival tem 33 anos. Casado, pai de uma filha, sempre morou na roça, porém procurando manter-se bem informado e adquirir conhecimento.
Ele é gerente da Fazenda Belete e agora também gerencia a fábrica de espeto.
Em 1997 concluiu o magistério, em nível médio, em Muriaé, indo e vindo de ônibus.
Entendeu recentemente que poderia mais, e assim, matriculou-se em Letras, através de curso semipresencial da Universidade Brasileira Luterana.
Sobre isso, não tem qualquer preconceito, pois entende que tudo depende do aluno, seja a distância ou presencial. Se for interessado, vai ter uma boa formação.
Também está matriculado em curso de inglês promovido pela Prefeitura de Miradouro, para onde vai uma vez por semana. O seu sonho é ser professor dessa matéria.
Sobre a preservação da natureza, Norival declara: “ preocupo-me muito em respeitar as leis que tratam do assunto, porém não podemos desconsiderar, em relação ao meio ambiente, a sua característica como fonte de renda.”
Vê-se que Norival, mesmo morando sempre na roça, está longe de ser um matuto.
Vá firme, professor! Sempre com o pensamento que traz em sua camisa: “O importante não é o que se dá, e sim o amor com que se dá”. Sabemos que isso é o que está em seu coração.

terça-feira, 19 de outubro de 2010

BELISÁRIO ESTÁ FORA DO JEM








A equipe de futesal da nossa Escola Estadual Vicente de Freitas não conseguiu passar para a fase final dos Jogos Esportivos de Muriaé – JEM, depois de perder, ontem, para a Escola Anglo.
Nosso time começou muito bem, e Romário logo meteu uma bola na trave. Mais gols foram perdidos. O Anglo, mais bem estruturado, fechava bem na defesa e de contra-ataque fez 2 gols já no primeiro tempo. Belisário continuava perdendo gols e a nossa torcida fazendo a sua parte.
No segundo tempo eles fizeram mais 3 gols, vencendo por 5 x 0.
Jogamos com Fabrício, Elton (Sávio), Luciano (Bruno), Romário e Darlan.
Na volta, no ônibus cedido pelo Vereador Vandim, a moçada fazia tanta farra que parecia que tinha ganhado a partida.
Uma parada no Geraldão (Itamuri) para um pão com mortadela e vamos subir a serra. Vitória ou derrota... o que vale é a festa!